}

16 de fevereiro de 2011

Ela*

[...]
Ela disse, te amo, vamos viver juntos.
Perguntei, não está bom assim? Cada um no seu canto, nos encontramos para ir ao cinema, passear no Jardim Botânico, comer salada com salmão, ler poesia um para o outro, ver filmes, foder. Acordar todo dia, todo dia, todo dia juntos na mesma cama é mortal.
Ela respondeu que Nietzsche disse que a mesma palavra amor significa duas coisas diferentes para o homem e para a mulher.
Para a mulher, amor exprime renuncia, dádiva. Já o homem quer possuir a mulher, tomá-la, a fim de se enriquecer e reforçar seu poder de existir.
Respondi que Nietzsche era um maluco.
Mas aquela conversa foi o início do fim.
Na cama não se fala de filosofia.

*Fragmento do livro: “Ela e outras mulheres” do Rubem Fonseca.
Nesses dias tenho lido livros belíssimos, engraçados e ricos. Este é um trecho de um deles.