}

28 de janeiro de 2011

Um cigarro, três palavras.


Sentada daqui de onde estou, consigo ver sua alma gritando por uma resposta. Cruzo as pernas e trago outro cigarro, o último, prometo a mim mesma. Disperso meus pensamentos na paisagem a poucos metros dos meus pés, ah, minha liberdade. Algo me puxa de volta. São seus pés batendo ruidosamento em meu assoalho. Os meus olhos acompanham o movimento forçado dos mesmos. Agora eles sobem para seus braços cruzados fortemente em seus seios, como se tentassem segurar o seu coração que acelera com cada pequeno movimento meu. Acompanho também o pulsar da sua artéria. Tão enlouquente. Logo, foco-me em seus olhos castanhos, normalmente tão profundos e neste instante, tão vazios, desesperançosos. Percebo-me a tempo que esqueci do cigarro em minha mão e o levo a boca novamente. "Sim, eu amo você" digo em um sussurro sabendo que o entenderia. Vejo um sorriso brotar em seus lábios carnudos, tão sutilmente. Era o que ele havia esperado todo este tempo. E eu o dei.

{Sthefane Pinheirö}



       Queridos, estou um pouco sem tempo essa semana para responder os comentários e visitar os blogs amigos, mas lembrem: Não esqueço de vocês.