}

2 de fevereiro de 2013

Sobre nós e nossa cura




Estou me despedindo de você com um nó na garganta e com pensamentos mais alto que o próprio monte everest. Estou me pondo em risco para salvar nós dois de mais choros e descontentamentos. Porque deu certo no início e alguma coisa deu errada. Você tinha se tornado o meu consolo, o meu barco de fuga, o meu riso – a cura da minha ferida. Estou me despedindo de você com um aperto no coração. Você foi minha cura e estou me abdicando dela. Me leia/me ouça/me sinta: Você foi como o casulo de uma borboleta – uma metamorfose necessária na vida. Agora somos mais dois livres no mundo e, completamente, prontos para mergulhar em outro amor. O mais fundo possível dessa vez. Um que não seja mais para curar o outro, mas que seja para abraçar e cuidar. Porque amor também é isso: é sonhar acordado. É amar sem mesmo saber o que é amor. 


Mais um daqueles desabafos da madrugada...
@ariannebarromeu